Pesquisar
Contato
Fone : (15) 3033-1234 / 3018-3499
Whatsapp (15)99611-5575 (Vivo) Enviar Whatsapp
Rua Bernardo Guimarães , 105 , conjunto 907 – Torre Care da Boulevard Alavanca
Jardim Vergueiro, Sorocaba, SP
Pré-agendamento Online Consulta Presencial Dr. Paulo Lu
Oferecido pela Doctoralia
Pesquisar

Tratamento de queda Capilar

Tratamento de Queda Capilar

Alopecia Androgenética 

A causa mais comum de calvicie é a alopecia androgenética que chega a afetar cerca 40% da população sendo o quadro mais pronunciado nos homens. O que ocorre é a parte superior e/ou central do couro cabeludo em muitas pessoas são mais susceptíveis à ação hormonal do DHT (di-hidrotestosterona) onde progride com o afinamento dos fios e posterior perda capilar de muitos deles, processo este denominado de miniaturização folicular .

A alopecia androgenética, como o próprio nome indica, é fortemente determinada pelo perfil genético individual– o que significa que a tendência à calvície permanece por toda a vida. Os tratamentos disponíveis  minimizam/atrasam  a manifestação desta tendência.

Dois avisos importantes antes de começar o seu tratamento: se ele for interrompido, a determinação genética volta a se manifestar e a queda de cabelo retorna normalmente. Além disso, vários tratamentos levam meses para começar a apresentar resultados notáveis. Portanto o segredo é ter persistência e paciência.

Os tratamentos para alopecia androgenética consiste nos tratamentos cirúrgicos e  clínicos sendo utilizados : medicamentos sistêmicos (via oral) , produtos tópicos , luz led , mesoterapia capilar , MMP e microtransplante capilar.

O tratamento cirúrgico (micro tranplante capilar) é procedimento no qual os folículos capilares são retirados de uma área doadora do próprio paciente, geralmente da nuca ou das laterais da cabeça e micro transplantados para as áreas calvas ou rarefeitas. A vantagem desses folículos transplantados ,tendem a ser naturalmente menos sensíveis ao DHT, sendo as chances de sofrerem miniaturização devido à ação do hormônio são consideravelmente bem menores.  O tratamento clínico e cirúrgico são complementares um ao outro , ou seja , um não exclui o outro sobre a possibilidade de tratamento da alopecia androgenética.

Nunca é demais lembrar: qualquer tratamento deve sempre ser prescrito e acompanhado por um médico, jamais use qualquer medicamento por conta propria.

Qualquer medicamento pode vir a apresentar efeitos colaterais importantes, principalmente os do tipo sistêmico (que atuam dentro do organismo) .

alopeciaandro

 

 

Alopecia areata
areata

Doença que provoca perda de cabelos repentina e geralmente concentrada em formato arredondado , de causa desconhecida , mas atrelado a fator autoimune e/ou genética. A Alopecia Areata não é uma doença contagiosa e fatores emocionais, traumas físicos e quadros infecciosos podem desencadear ou agravar um quadro de alopecia areata.
Quanto mais preococe o tratamento maior a chance de recuperação.
O tratamento depende do caso e gravidade de acometimento, podendo ser utilizados corticoesteroides tópicos ou injetáveis, agentes estimuladores como minoxidil ou drogas sensibilizantes como a difenciprona.

Psoriase Couro cabeludo
psoriase1g

Doença genética não infecciosa , em que ocorre aceleramento da produção pele , associado com inflamação e descamação. No couro cabeludo as escamas são espessas, secas , as lesões podem variar em número e intensidade e o tratamento também deve ser adequado com cada caso.
Nenhum tratamento atualmente é definitivo, mas é possível obter bom controle da doença.

 

Alopecia cicatricial

As alopecias cicatriciais são doenças que causam a perda de cabelo de forma permanente através da destruição dos folículos pilosos. São classificadas em dois grandes grupos: as primárias, onde agressão se dá ocorre no folículo piloso . E as secundárias em que o cabelo é destruído como consequencia de infecção, tumor, queimadura ou outras doenças de pele.
Nas alopecias cicatriciais a biopsia do couro cabeludo é um requisito para auxiliar no diagnóstico para o tratamento correto . A depender da suspeita clínica, o médico pode enviar uma amostra de biópsia para exames especiais adicionais, como a imunofluorescência direta e colorações especiais bactérias, fungos e tecido elástico.