Melasma e Manchas

Melasma e Manchas

Um dos motivos mais freqüentes de consulta ao dermatologista é o aparecimento de manchas na pele. E, dentre os vários tipos de manchas que costumamos tratar, um dos mais incômodos é o Melasma. As mulheres em idade fértil são as maiores vítimas. As manchas são escurecidas e atingem principalmente as bochechas, testa, nariz e a pele acima do lábio superior. A pele dessas regiões acumula melanina, um pigmento acastanhado, levando ao escurecimento.

A causa exata do problema é desconhecida. Mas existem alguns fatores que pioram o quadro:

Influencia Hormonal

O problema muitas vezes começa ou piora com o uso de anticoncepcionais ou durante a gestação.

Luz Solar e Luz visível

Os raios ultravioleta, presentes na luz solar, estimulam a produção de melanina, agravando a situação. Também a luz visível, seja do sol ou emitida por lâmpadas, é prejudicial.

Tendência Genética

A genética também é um fator importante na questão de investigação para as causas do problema.

Como eu me livro dessas manchas?

Antes de começar o tratamento, quem tem melasma precisa compreender que sua pele é extremamente sensível à luz. E que essa sensibilidade não muda, mesmo com o tratamento. Por isso, se você tem, proteja-se diariamente contra a luz solar e contra a luz visível. Faça chuva ou faça sol. A proteção deve continuar mesmo depois que o problema for tratado. Se você relaxar depois que a pele clarear, a mancha volta.

 

O filtro solar deve proteger contra os raios ultravioleta A e B. Os melhores são os mais opacos, que associam filtros solares químicos aos físicos, como o dióxido de titânio ou o óxido de zinco. Use no mínimo um com FPS 30. Repasse a cada 3 horas, ou até antes, se você suar ou se molhar. Na praia e na piscina o cuidado deve ser redobrado: além do filtro, use boné, e fique na sombra durante os horários de pico do sol. A resposta ao tratamento é pior em quem toma pílula anticoncepcional. Se o incômodo com as manchas for grande, pense em trocar o método contraceptivo.

 

O dermatologista consegue avaliar se o acúmulo de melanina na pele é superficial ou profundo. Isso influencia no sucesso do tratamento, já que o acúmulo superficial do pigmento é mais fácil de tratar que o profundo.

 

Felizmente existem bons clareadores disponíveis que podem ser usados em cremes de uso domiciliar. É o caso da hidroquinona, da tretinoína, ácido glicólico e outros mais. Normalmente complementamos o tratamento com peelings químicos realizados em consultório. Nos casos muito resistentes, existem alguns lasers que podem ajudar.

 

O resultado costuma aparecer após um ou dois meses de tratamento. Em aproximadamente meio ano a melhora é grande. Depois disso, recomendo um tratamento de manutenção, enfatizando sempre a proteção solar.

Opções de tratamento